Suicídio – Será o fim de tudo?

Jesus afirmou: “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.” (João 16.33)

As aflições de nosso cotidiano se apresentam em forma de decepções, frustrações, doenças, humilhações, perdas, etc. Tudo isto pode gerar uma profunda crise de tristeza e desânimo. Mas não estamos sozinhos no meio dessas lutas. Tomar decisões precipitadas pode não ser o fim dos problemas, mas o agravamento deles. Neste breve estudo bíblico iremos aprender que a morte física não é o fim de tudo e que Deus tem o melhor para nós.

suicídio não é a solução

“Pois ele conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó.” (Salmos 103. 14)

Em Jeremias 29.11 Deus tem uma notícia fenomenal para nós: “Pois eu bem sei os planos que estou projetando para vós, diz o Senhor; planos de paz, e não de mal, para vos dar um futuro e uma esperança.” Aqui fica evidente que não estamos abandonados à própria sorte! Deus se importa muito conosco. Além do mais, se Ele nos criou dotados de corpo, alma e espírito, é porque ele tem um propósito conosco além de nossa existência física.

Criados para uma eternidade!

Muitos afirmam que somos apenas um aglomerado de moléculas em atividadevivendo por certo período de tempo para logo depois se decompor nochão frio de um cemitério. Mas a forma como Deus criou o homem prova algo diferente. Na Bíblia, a única fonte digna de confiança, lemos assim:

E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.” (Em Gênesis 2.7)

Deus fez o homem alma vivente (que existe eternamente). Aqui temos algumas lições: Primeiramente, a vida pertence somente a Deus! Foi ele quem a deu e, portanto só Ele pode tirar. Se tentarmos fazer isto estaremos atuando como se fôssemos Deus. Então fica claro que não temos esse direito!

Segundo: a vida só foi manifestada em Adão quando ele recebeu o sopro divino. O sentido foi duplo: vida física e espiritual. Estar vivo espiritualmente implica em ter um relacionamento com Deus. Adão foi criado neste estado. A queda, ou seja, o seu afastamento de Deus corresponde à morte espiritual. Em Gênesis 3.11 Deus confronta Adão por sua desobediência, pois ele havia sido avisado deste o perigo:

“Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.” (Gênesis 2.17); “E Deus disse: Quem te mostrou que estavas nu? Comeste tu da árvore de que te ordenei que não comesses?” (Gênesis 3.11)

A pergunta a Adão foi para que ele avaliasse a dimensão de seu erro, pois a partir dali a morte espiritual passaria a toda humanidade. De fato, algum tempo depois, (na época de Noé), o pecado atingiu o grau máximo de perversidade e nós sabemos que o dilúvio foi a penalidade dessa corrupção:

“E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente.” (Gênesis 6.5)

Será que morte física significou o fim de tudo para a geração de Noé?

Não absolutamente. Todos eles morreram em pecado e estão aguardando no inferno o julgamento final. O que? Como se sabe disto? Quando Cristo veio ao mundo como Salvador, Ele anunciou na terra o arrependimento para perdão dos pecados. Ao morrer, ele visitou o inferno apenas notificar aos presos ali que Deus havia cumprido a promessa de salvação feita no início do mundo. 1 Pedro 3.19,20 fala sobre isto.

“No qual também foi, e pregou aos espíritos em prisão; os quais noutro tempo foram rebeldes, quando a longanimidade de Deus esperava nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca; na qual poucas (isto é, oito) almas se salvaram pela água.”

Isto prova que os mortos no dilúvio não criam que precisavam se converter. Em Apocalipse 20.12,13 temos uma revelação sobre o Juízo Final. Todos os que partiram para a eternidade perdidos estarão lá, inclusive os rebeldes que pereceram nas águas do dilúvio:

“E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras.”

A necessidade de salvação antes da morte física

Todo mundo sabe que a morte significa “separação.” Se alguém morre fisicamente é separado do mundo físico. A morte espiritual, porém é um estado, trata-se de nossa inclinação ao erro e todos nós nascemos assim desde o berço, por isso precisamos ser vivificados. Veja abaixo um trecho da conversa entre Jesus e Nicodemos. Jesus deixa claro que precisamos nos converter, nascer de novo, para termos a vida eterna.

“Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.” (João 3.3); “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3.16)

A vida eterna é o auge do propósito divino para o ser humano.

Se Deus fala em vida eterna é lógico que somos eternos! Temos fé, consciência, memória, inteligência, emoções, vontade e outros elementos que provam isto. Em Romanos 7.22 lemos assim: “Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus.” A verdade é que viemos a este mundo para termos um relacionamento com Deus, conhecendo-o através de sua Palavra. É somente através da Bíblia que conhecemos a realidade da salvação, juízo, ressurreição, céu, inferno e outros temas importantes. Em Atos 17.26-28 lemos assim:

“E de um só sangue fez toda a geração dos homens, para habitar sobre toda a face da terra, determinando os tempos já dantes ordenados, e os limites da sua habitação; para que buscassem ao Senhor, se porventura, tateando, o pudessem achar; ainda que não está longe de cada um de nós; Porque nele vivemos, e nos movemos, e existimos; como também alguns dos vossos poetas disseram: Pois somos também sua geração.”

Adversidades, inveja e ódio contra o ser humano

Satanás odeia o ser humano. Ele conseguiu enganar o primeiro casal e continua tentando destruir o propósito de Deus para nossa vida. E então? Vamos deixar que isto aconteça? Vamos acreditar nas mentiras do diabo ou nas promessas de Deus? Consideremos ainda os textos abaixo:

“Para que por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos a firme consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta.” (Hebreus 6.18); “Porque o Senhor será a tua esperança; guardará os teus pés de serem capturados.” (Provérbios 3.26); “O Senhor será também um alto refúgio para o oprimido; um alto refúgio em tempos de angústia.” (Salmos 9.9)

O que acontece se crermos na mentira de Satanás? O que significa a falta de confiança em Deus?
“Porquanto dizeis: Fizemos aliança com a morte, e com o inferno fizemos acordo; quando passar o dilúvio do açoite, não chegará a nós, porque pusemos a mentira por nosso refúgio, e debaixo da falsidade nos escondemos.” (Isaías 28.15)

Tenha cuidado! O suicídio que o diabo oferece é apenas o meio mais rápido para a perdição eterna. Ele deseja estragar nossa vida aqui e na eternidade. Definitivamente crer nas promessas de Deus é a única garantia para a vitória. Em João 10.10 Jesus revela não somente o combate espiritual que enfrentamos, mas também o seu desejo de transformar o nosso modo de vida:

“O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância.” (João 10.10) “E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” (João 17.3)

Gostaria de conhecer mais sobre o plano de Deus para nossa vida?
Algo pode anular a fidelidade de Deus?
Arrependimento e remorso
A cidade de Deus
Plano de Salvação

Significado de Halloween

Halloween é celebrado em 31 de outubro nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e Irlanda. É a noite onde muitas pessoas se fantasiam de monstros, fantasmas e bruxos, inclusive as crianças. Estas saem de casa em casa a pedir doces e guloseimas. Nesta data as casas também costumam estar decoradas com abóboras assustadoras.

A origem de Halloween

Halloween remota aos antigos celtas, uma sociedade controlada por sacerdotes druidas os quais viviam nas regiões da Irlanda, Inglaterra e parte da França, 300 a.C. A cada ano, em 31 de outubro, os druidas celebravam a véspera do ano novo céltico em honra a Samhain – deus da morte e das trevas, oferecendo-lhe sacrifícios animais e humanos. A origem desta celebração está carregada de superstições, lendas, paganismo, ocultismo, bruxaria e todas as atividades relacionadas ao mundo das trevas.

O que era feito durante aquela noite

noite de HaloweenNa noite de 31 de outubro os druidas se vestiam com couros e chifres e cabeças de animais, e assim, disfarçados de fantasmas, espíritos, bruxas, iam por toda vizinhança recolhendo oferendas para seu deus Samhain. Quando os sacerdotes não se agradavam das oferendas eles aplicavam um trick (truque) à família da casa, queimando sua propriedade, matando seu gado ou colocando enfermidades na família, ou ainda levando alguém para oferecer a Samhain. Após o recolhimento das oferendas os sacerdotes duidas faziam uma grande fogueira na qual ofereciam parte das oferendas em adoração a este deus.

Também em 31 de outubro os druidas levavam consigo um nabo oco com um rosto gravado na parte frontal, que representava um espírito mau. Dentro do nabo havia uma vela acesa a qual funcionava como lanterna usada quando iam de casa em casa à noite da busca das oferendas. Quando esta prática chegou aos Estados Unidos, não havia tantos nabos e logo estes foram substituídos pela abóbora.

A abóbora – a lenda de Jack

imagem da abóbora – a lenda de JackA prática de cortar a abóbora e colocar uma vela acesa dentro dela surgiu da lenda de Jack, um homem que bebia muito e este, certa noite de Holloween convidou o diabo para beber com ele. Na hora de pagar a conta Jack convenceu o diabo a se transformar em uma moeda. Mas ao invés de pagar a conta Jack pregou a moeda em um crucifixo. Para se livrar da prisão o diabo prometeu a Jack que nunca mais o perturbaria. Quando Jack morreu, não foi aceito no céu por ter realizado um trato com o demônio. No inferno foi rejeitado pelo Diabo por conta do trato que possuíam. Vendo Jack solitário, o demônio lhe entregou um nabo com carvão que lhe serviu de lanterna. A partir daí a alma de Jack passou a perambular pelo mundo. Os nabos, abóboras iluminados então passaram a ser utilizadas por Jack para ajudar na escuridão de seu caminho.

HALLOWEEN NA ATUALIDADE

A celebração a este deus Samhain continuou ao longo dos séculos, até que em 834 d.C., o papa Gregório IV instituiu o dia de todos os santos (o dia das bruxas) como festa cristã esperando eliminar a celebração a Samhain, mas a prática continuou. Halloween no original é “All hallow’s eve” (hallow evening, em inglês) que significa a “véspera de todos os santos.” De fato, sua celebração acontece um dia antes da festa de todos os santos, feriado observado na igreja católica.

DADOS IMPORTANTES:

Ficou comprovado que na noite de 31 de outubro nos Estados Unidos, França e Irlanda e em muitos países se realizam missas negras com sacrifícios humanos, principalmente bebes. Se celebra todo tipo de cultos espíritas e reuniões relacionadas com o mal. Além de ser uma data especial para os satanistas, é o Sabbath satânico. Essa data é conhecida como a noite do ano para todos os ocultistas e seguidores do diabo.

imagem de HalloweenO autor da bíblia satânica Anton Lavey, ministro da igreja de Satanás diz que 31 de outubro é um dos dias mais importantes para os satanistas.

Doreen Irving, umas das maiores bruxas no oeste europeu, ao se converter ao cristianismo disse que se os pais tivessem pelo menos uma idéia do que seria Holloween, nem sequer pronunciariam essa palavra na frente de seus filhos!

Nos Estados Unidos e demais países onde se celebra Holloween é o dia em que mais desaparecem crianças, e também o dia onde mais ocorrem crimes. Pessoas sem escrúpulo escondem afiadas facas dentro das frutas, ou presenteiam caramelos envenenados e até agulhas usadas para drogas, sem falar nas comidas preparadas com rituais satânicos e oferecido às pessoas.

O que a Bíblia diz sobre a celebração de Halloween? Se Deus nos alerta a respeito daqueles que se disfarçam de ovelhas, quanto mais a esses que usam claramente a imagem do maligno!

Halloween é um disfarce de brincadeira de doces e travessuras. Embora muitos não acreditem em obras de bruxaria (alegando ser crendice da Idade Média), elas existem!

Muitos dizem que 31 de outubro é uma ótima data para se divertir. Os filmes e seriados costumam passar a ideia que de Halloween é uma ocasião onde todos podem livremente se fantasiar de vampiros, bruxos, zumbis, duendes, fantasmas, monstros, etc.. Esse discurso parece inofensivo, mas para quem conhece a verdade dos fatos jamais cai na armadilha das trevas. Na Bíblia, em Efésios 5.6-8 temos este texto:

Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência. Portanto, não sejais seus companheiros. Porque noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor; andai como filhos da luz”

Também na véspera de Halloween muito se ouve dizer: “Se você não quiser se fantasiar, você pode reunir seus amigos e familiares para curtirem um bom filme de terror.” Mas é bom lembrar que na preparação da maioria desses filmes são contratados satanistas a fim de ajudar a reproduzir os rituais, sacrifícios e maldições de forma autêntica. O resultado final se vê no comportamento dos telespectadores. Muitos, após assistirem esses filmes, saíram a cometer crimes associados com o satanismo. Mas não para aí. Outros, neste dia, saem também para visitar casas encantadas, cemitérios e centros espíritas a fim de participarem de seções onde se invoca os espíritos dos mortos. (na verdade demônios!).

Você percebe que Halloween é uma celebração alusiva ao reino das trevas? Não é difícil perceber que toda e qualquer forma de ocultismo não tem nada a ver com reino de Deus. Ele sempre condenou a feitiçaria em todas as suas formas. A verdadeira mensagem de Cristo é esta:

E esta é a mensagem que dele ouvimos, e vos anunciamos: que Deus é luz, e não há nele trevas nenhumas. Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos a verdade.” (1 João 1.3-6);

E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as.” (Efésios 5.11)

Saiba mais sobre os perigos disfarçados de Halloween. Veja o vídeo abaixo:

Eternidade com ou sem Cristo

A salvação em Cristo é o tema principal da Bíblia, e é também o assunto mais importante do mundo. Incomparavelmente com a brevidade de nossa existência na terra a salvação diz respeito a toda nossa eternidade. Então faz sentido parar um pouco para refletir sobre onde estaremos na eternidade.

É necessário sabermos que somente a Bíblia é autoridade máxima sobre este assunto. As demais fontes são meras produções da mente humana corrompidas pelo pecado desde o princípio do mundo. Em Romanos 3.4b está escrito: “Sempre seja Deus verdadeiro, e todo o homem mentiroso; como está escrito: Para que sejas justificado em tuas palavras, e venças quando fores julgado.”

eternidade com ou sem cristoAs distrações e diversões deste mundo materialista podem nos manter alheio a este assunto. Por isto Cristo nos adverte solenemente: “Pois, que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma?” (Marcos 8.36) Eternidade é um assunto para quem leva a vida a sério. Em Eclesiastes 7.2 lemos assim: “Melhor é ir à casa onde há luto do que ir à casa onde há banquete, porque naquela está o fim de todos os homens, e os vivos o aplicam ao seu coração.” Este texto reforça que este assunto é muito importante, afinal precisamos aprender como lidar com a morte, sobretudo a morte espiritual, a qual veio ao mundo por ocasião da queda. A razão pela qual Cristo veio ao mundo foi exatamente trazer-nos a solução para este complicado problema.

Eternidade
“Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte.” (Provérbios 14.12)
Em nossa vida terrenal o principal de tudo é saber se estamos preparados ou não para enfrentarmos o momento de nossa passagem para a eternidade. Em outras palavras, precisamos saber se estamos salvos ou continuamos perdidos. Isto é muito sério, pois a Bíblia não fala nada sobre a possibilidade de conversão na eternidade. Uma vez lá ninguém terá outra oportunidade.A Bíblia é enfática neste particular: “Aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo.” (Hebreus 9.27)

Somente Cristo pode nos salvar do estado de perdição. Em 1 Timóteo 2.5 lemos assim: “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.” A Bíblia toda trata desta exclusividade. Cristo é o único caminho para uma eternidade feliz. Ele mesmo disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” (João 14.6) Em Atos 4.12 também lemos: “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.”

Confessar a Cristo como Salvador é a melhor e mais importante escolha. É somente através desta escolha que nos tornamos filhos de Deus. Assim está escrito: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome.” (João 1.12) Em Romanos 8.17a lemos também: “E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e co-herdeiros de Cristo.” Somente quem é filho pode habitar na Cidade de Deus.

Bom, e se deixarmos escapar esta oportunidade? O texto de Hebreus 2.3 aborda esta questão: “Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram.” Para estarmos com Cristo na eternidade precisamos estar salvos aqui na terra vivendo como filhos de Deus. Afinal a eternidade nos aguarda a qualquer momento com ou sem Cristo! Pensemos nisto.

Textos relacionados:
Que Farei de Jesus, Chamado o Cristo?
Como pregar a Palavra de Deus

O que é o orgulho

O orgulho é a maior e das ilusões. Enxergar-se superior aos outros leva inevitavelmente ao desejo de humilhá-los. A menos que reconheça sua suposta superioridade, tal pessoa prosperará somente aos seus próprios olhos! Justamente para afastar de nós esta falsa perspectiva Cristo nos chama a atenção: “Se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas!” (Mateus 6.23)a face do orgulho

Jesus contou a parábola do fariseu e do publicano para nos mostrar, através da vida espiritual destes dois personagens, as evidências do orgulho e da humildade. Consideremos o texto de Lucas 18.10-14:

Dois homens subiram ao templo, para orar; um, fariseu, e o outro, publicano. O fariseu, estando em pé, orava consigo desta maneira: Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros; nem ainda como este publicano. Jejuo duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto possuo. O publicano, porém, estando em pé, de longe, nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador! Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado.”

O que podemos destacar neste texto:

1.O orgulho esconde-se na capa da religiosidade
Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros…  Este homem estava orando! Mas em vez de confessar seus pecados ele se exalta diante de Deus. Em 1 João 1.9 lemos assim: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.”  O homem não se lembrava nem mesmo de seus próprios pecados! O fariseu era puro somente aos seus próprios olhos, mas aos olhos de Deus ele permanecia imundo!

2.  O orgulho entorpece e impulsiona ao pecado
A falsa religiosidade do fariseu lhe impedia enxergar seus próprios erros. Alguém sabiamente disse: “o orgulho é como o mau hálito, quem tem geralmente não sente!” De fato, em Provérbios 30.12 lemos assim: “Há uma geração que é pura aos seus próprios olhos, mas que nunca foi lavada da sua imundícia.” Como esse homem podia se arrepender de seus pecados se ele mesmo não os reconhecia? Ainda em provérbios 30.20 lemos: “O caminho da mulher adúltera é assim: ela come, depois limpa a sua boca e diz: Não fiz nada de mal.”

3. O orgulho leva a pessoa a julgar-se superior aos outros
Nem ainda como este publicano…
Em vez de reconhecer seus farrapos espirituais ele passa a condenar o próximo! Jesus advertiu: “Não julgueis, para que não sejais julgados.” (Mateus 7.1) Em 2 Coríntios 11.31 lemos também: “Porque, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados.” Romanos  14.11,12 refere-se a quem tem o legítimo direito de julgar: “Porque está escrito: Como eu vivo, diz o Senhor, que todo o joelho se dobrará a mim, e toda a língua confessará a Deus, de maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus.”

Longe de nós o orgulho (soberba)
Esta parábola nos ensina que o orgulho impede a nossa justificação e salvação. Em Salmos 19.13 Davi orou assim: “Também da soberba guarda o teu servo, para que se não assenhoreie de mim. Então serei sincero, e ficarei limpo de grande transgressão.”

Humildade, sinceridade, pureza de coração são virtudes que precisamos ter para agradar a Deus. Nesta parábola o publicano saiu justificado e salvo. Jesus concluiu assim: “Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado.” Finalmente em Provérbios 28.13 lemos: “O que encobre as suas transgressões nunca prosperará,mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia.”

TEXTOS RELACIONADOS:
Arrependimento e remorso

Os maias não afirmaram que seria o fim do mundo!

[message type=”simple” bg_color=”#EEEEEE” color=”#333333″]O texto abaixo é parte de uma série especial de 15 posts publicados com o objetivo de combater as falsas notícias sobre o fim do mundo marcado para 21/12/2012[/message]

A suposta catástrofe estabelecida para 2012 deve-se a vár

O homossexualismo é algo normal?

homossexualismoEm Gênesis 2.18 “disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele. Em Gênesis 1.27 lemos também: “E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.” E para que ninguém tivesse quaisquer dúvidas acerca da heterossexualidade do ser humano Cristo explicou novamente: “Desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea!” (Marcos 10.6) Após a queda sabemos que o pecado se multiplicou daí veio a prostituição Mesmo assim, “por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido.” (1 Coríntios 7.2)

Deus em sua onisciência sabia que degradação humana envolveria toda sorte de promiscuidade e desvios sexuais. Então Ele foi mais específico: “Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é; nem te deitarás com um animal, para te contaminares com ele; nem a mulher se porá perante um animal, para ajuntar-se com ele; confusão é; com nenhuma destas coisas vos contamineis; porque com todas estas coisas se contaminaram as nações que eu expulso de diante de vós. Por isso a terra está contaminada; e eu visito a sua iniqüidade,e a terra vomita os seus moradores.” (Levítico 18.22-25) Esta é a posição de Deus em relação à prática do homossexualismo.

PL 122 e a proteção aos homossexuais
Em muitas cidades do mundo antigo, bem como na colônia romana de Corinto se praticava entre outros pecados o homossexualismo. Mas nunca se soube que governo de Roma elaborou uma lei exclusiva para proteger os homossexuais de lá. Na realidade eles só foram protegidos quando se converterem a Cristo. O apóstolo Paulo explica isto: “Não sabeis que osinjustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os imorais, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os homossexuais passivos ou ativos, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os caluniadores, nem os roubadores herdarão o Reino de Deus. Tais fostes alguns de vós. Mas fostes santificados, mas fostes justificados em nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito de nosso Deus.” (1 Coríntios 6.9-11) Conversão é única fórmula divina para a transformação do ser humano.

Razões porque homossexuais enfrentam adversidades
Os princípios estabelecidos na Palavra de Deus são eternos. Uma das finalidades das Escrituras é nos proteger do mal. Em Provérbios 4.5,6 lemos: “Adquire sabedoria, adquire inteligência, e não te esqueças nem te apartes das palavras da minha boca. Não a abandones e ela te guardará; ama-a, e ela te protegerá.” Em Romanos 14.18 lemos: “Porque quem nisto serve a Cristo agradável é a Deus e aceito aos homens.” Porém muitos tentam se proteger se posicionando exatamente contra a Palavra de Deus! Quando esses princípios são quebrados só resta a adversidade. A Bíblia não omite as conseqüências do estilo de vida homossexual. Em Romanos 1.26-28 está escrito: “Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro. E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm.”

Embora seja a escolha de muitos, a realidade é que o homossexualismo é pura frustração. Pois além de ser imundícia contraria o propósito divino do sexo. Deus não criou ninguém homossexual e ninguém foi chamado para viver assim. Em 1 Tessalonicenses 4.7 lemos diferente: “Porque não nos chamou Deus para a imundícia, mas para a santificação.”

Enquanto há vida, há tempo para renunciar ao pecado do homossexualismo. Em Isaias 1.8 Deus se expressa assim: “Vinde então, e argüi-me, diz o Senhor: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã.”; “Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos, e se converta ao Senhor, que se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar.” (Isaías 55.7)

A boa vontade de Deus
“Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” (Romanos 12.1,2)

Textos relacionados:
A verdadeira liberdade
Pl 122 cria o grupo dos privilegiados
Adultério além do aspecto sexual

João 6.28 – A obra de Deus em nós

Perguntaram a Jesus: “Que faremos para executarmos as obras de Deus?” Jesus respondeu, e disse-lhes: A obra de Deus é esta: Que creiais naquele que ele enviou.” (João 6.28,29)

Nota-se claramente que a preocupação principal de alguns discípulos era fazer algumas coisas para Deus. Pela resposta de Cristo percebe-se que Eles não está preocupado em alguém para fazer coisas para Deus. Não que Ele necessite de nosso trabalho, mas o nosso Pai celestial almeja antes de tudo que o conheçamos através de um profundo relacionamento com Ele. Sim, precisamos executar as obras de Deus, mas primeiramente precisamos deixar que Deus e execute a Sua obra em nós!

imagem da A obra de Deus em nós. Todo ser humano cresce cheio de egoísmo e presunção. Muitas vezes somos tentados a desejar a fama, os elogios, as posições de destaque, o reconhecimento, etc. Essas coisas só atrapalham o nosso relacionamento com Deus. Esta é a nossa dura cruz que precisamos identificar cada dia em nosso viver. Cristo foi enfático: “E qualquer que não levar a sua cruz, e não vier após mim, não pode ser meu discípulo.” (Lucas 14.27) A obra de Deus só aparece quando morremos para nossos desejos pessoais, para o nosso eu, para as coisas do velho homem. João Batista compreendeu isto ao dizer “É necessário que ele cresça e que eu diminua.” (João 3.30) Esta é a única condição de frutificação. Cristo disse: “Na verdade, na verdade vos digo que, se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto.” (João 12.24)

João 6.28 A Obra de DeusJesus respondeu a pergunta de seus discípulos desta forma: “A obra de Deus é esta: Que creiais naquele que ele enviou.” Crer em Deus é o ponto inicial para conhecê-lo, para ter intimidade com ele. Quando realmente cremos em Deus nos dirigimos à sua Palavra afim aprendermos de Deus. Em 2 Timóteo 3.16,17 lemos: “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça; Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra.” Pela Palavra somos consolados e também confrontados em relação a nossos erros. Davi orava assim: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece os meus pensamentos. E vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno.” (Salmos 139.23,24)

Temos uma promessa fenomenal de Cristo sobre a obediência à sua palavra: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada.” (João 14.23) Imagine o resultado de tudo isto? Esta é a nossa capacitação. Ao lermos a Palavra descobriremos também nossa necessidade de orar. Em Atos 13.4 lemos sobre a vida diária de Barnabé e Paulo: “E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o Espírito Santo: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado. “E assim estes, enviados pelo Espírito Santo, desceram a Selêucia e dali navegaram para Chipre…” Cada um tem um chamado mas a consagração define a nossa preparação para executarmos a obra de Deus.

Textos relacionados:
Conhecendo a Deus
A obediência
A igreja verdadeira
fé o firme fundamento

PL 122 – Pretende criar o grupo dos privilegiados

EXPLICANDO O PL 122:
Artigo 1º: Serão punidos na forma desta lei os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, procedência nacional, gênero, sexo, orientação sexual, identidade de gêneros.
Comentário (Silas Malafaia): Eles tentam se escorar na questão de raça e religião para se beneficiar. O perigo do artigo 1º é a livre orientação sexual. Esta é a primeira porta para a pedofilia. É bom ressaltar que o homossexualismo é comportamental, ninguém nasce homossexual; este é um comportamento como tantos outros do ser humano.

Artigo 4º: Praticar o empregador, ou seu preposto, atos de dispensa direta ou indireta. Pena: reclusão de 2 a 5 anos.

Comentário: Não serão os pais que vão determinar a educação dos filhos – porque se os pais descobrirem que a babá dos seus filhos é homossexual, e eles não quiserem que seus filhos sejam orientados por um homossexual, poderão ir para a cadeia.

Artigo 8º- A: Impedir ou restringir a expressão e a manifestação de afetividade em locais públicos ou privados abertos ao público, em virtude das características previstas no artigo 1º desta lei. Pena: reclusão de dois a cinco anos.

Comentário: Isto significa dizer que se um pastor, ou padre, ou diretor de escola – que por questões de princípios – não queira que no pátio da igreja, ou escola haja manifestações de afetividade, irão para a cadeia.

Artigo 8º- B: Proibir a livre expressão e manifestação de afetividade do cidadão homossexual, bissexual ou transgênero, sendo estas expressões e manifestações permitidas aos demais cidadãos ou cidadãs. Pena: reclusão de dois a cinco anos.

Comentário: O princípio do comentário é o mesmo que o do anterior, com um agravante: a preferência agora é dos homossexuais; nós, míseros heterossexuais, podemos também ter direito à livre expressão, depois que é garantida aos homossexuais. O parágrafo do artigo que vamos comentar a seguir “constituiu efeito de condenação”.

Artigo 16º, parágrafo 5ª: O disposto neste artigo envolve a prática de qualquer tipo de ação violenta, constrangedora, intimidatória ou vexatória, de ordem moral, ética, filosófica ou psicológica.

Comentário: Aqui está o ápice do absurdo: o que é ação constrangedora, intimidatória, de ordem moral, ética, filosófica e psicológica? Com este parágrafo a Bíblia vira um livro homofóbico, pois qualquer homossexual poderá reivindicar que se sente constrangido, intimidado pelos capítulos da Bíblia que condenam a prática homossexual. É a ditadura da minoria querendo colocar a mordaça na maioria. O Brasil é formado por 90% de cristãos. Não queremos impedir ou cercear ninguém que tenha a prática homossexual, mas não pode haver lei que impeça a liberdade de expressão e religiosa que são garantidas no Artigo 5º da Constituição brasileira. Para qualquer violência que se cometa contra o homossexual está prevista, em lei, reparação a ele; bem como assim está para os heterossexuais. A PL-122 não tem nada a ver com a defesa do homossexual, mas, sim, quer criminalizar os contrários à prática homossexual – e fazem isso escorados na questão do racismo e da religião.

Artigos relacionados:
Alei da palmada é uma lei cretina
2012Será o fim do mundo?

João 1.3 – Vida permanente nele

“Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens.” (João 1.3,4)

O evangelho de João nos mostra muitos aspetos da divindade de Cristo. Ele inicia explicando que tudo se origina em Deus. O apóstolo Paulo também se dirigiu aos atenienses neste mesmo tom: “Porque nele vivemos, e nos movemos, e existimos. (Atos 17. 28a). Isto significa que à parte de Cristo não vivemos, e nossa existência se resume-se em apenas um vazío continuo. A alegria que sentimos é passageira e no final ainda resulta em frustração e desespero.

Desde a queda somos tentados a viver independentes de Deus, este é o nosso maior problema. Cristo, pacientemente, exortou alguns judeus obstinados que insistiam em permanecer assim: “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam; e não quereis vir a mim para terdes vida.” (João 5.39,40) Nunca deveríamos esquecer que fomos criados para viver em um contínuo relacionamento com o nosso Pai celestial, pois somente ele é a fonte de todo o nosso bem-estar.

Embora o pecado tenha rompido o nosso relacionamento com Deus no início do mundo, Cristo veio restabelecer uma nova aliança. Antes de ir para a cruz Ele afirmou: “Este cálice é o Novo Testamento no meu sangue, que é derramado por vós.” (Lucas 22.20b) Do Getsêmani ao Calvário Cristo sofreu e foi sacrificado para que fôssemos salvos. Sendo assim, somente ele tem e pode oferecer vida para todos. Em Apocalipse 22.17 Ele se expressa assim: “Quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida.” Ainda se falharmos Ele está pronto para nos restaurar. Em 1 João 1.9 lemos: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.” Então não compensa permanecer sem vida distante dele.

Por experiência sabemos que o pecado só causa tristeza e derrota além de nos faz sentir miseráveis e sem esperança. Entretanto em Romanos 5.6 lemos assim: “Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios. Cristo veio como a luz do mundo para dissipar quaisquer trevas que de nossos corações. Lembremo-nos: Ele “dá força ao cansado, e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor!” (Isaias 40.29) Estamos experimentando a alegria como fruto de um relacionamento com Deus? Nele está a vida!

Textos Relacionados:
Somente Ele

PL 122 – Criticar e ser criticado

Todo mundo sabe que o PL 122 pretende incriminar quem dirigir críticas aos homossexuais, o que é extremamente inaceitável. Apenas usando o bom senso, se percebe que esse projeto de lei é altamente preconceituoso.

Então os gays querem o direito de criticar todo mundo e os héteros passam a perder esse direito e ainda podem responder processos judiciais! Essa notícia é bombástica. É necessário coerência. Fôssemos mostrar aqui quem recebeu críticas neste país ao longo de apenas um dia, faltaria muito espaço, mas os gays insistem que são os únicos intocáveis e que ninguém tem o direito de criticar seu comportamento! O que eles quererão depois?

 Todos nós convivemos com críticas ao longo de nossa existência. Aliás, criticar e ser criticado faz parte da democracia, da liberdade de expressão. Críticas surgem a qualquer momento por “n” motivos: inveja, escândalo, incompetência, irresponsabilidade, omissão e principalmente por mau comportamento.

 Quem neste mundo nunca sofreu uma crítica? E quem não está sujeito a receber novas? Cristo foi o único neste mundo o qual em sua boca nunca se achou engano, mesmo assim ele foi duramente criticado. Então podemos entender que nem mesmo a perfeição isenta alguém de críticas e imagine agora quando se trata de um comportamento contrário à natureza! Não podemos ficar calados e nos curvar diante da ditadura gay.

“Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.” (Romanos1.26,27)

O ensino bíblico transcende a qualquer época, por que é eterna. “Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente.” (Hebreus 13.8) Também no capítulo 13 de Gênesis vemos claramente como Deus vê a pratica do homossexualismo. Assim está escrito: “Ora, eram maus os homens de Sodoma, e grandes pecadores contra o Senhor.” (Gn 13.13) Fica evidente que é contra Deus que o homossexualismo se insurge.