Pensamentos Involuntários

salvo-perdido

Quem será salvo ou perdido? Podemos saber?

salvo-perdidoHá muitas perguntas na Bíblia, entre elas esta: “Por acaso tenho algum desejo na morte do ímpio? diz o Senhor Deus. Por acaso não desejo antes que se converta dos seus caminhos, e viva?” (Ezequiel 18.23)

Jesus fez uma declaração semelhante em relação aos salvos: “E a vontade do Pai que me enviou é esta: Que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último dia. Porquanto a vontade daquele que me enviou é esta: Que todo aquele que vê o Filho, e crê nele, tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia.” (João 6.39-40)

Nos textos supracitados, principalmente o último, aprendemos pelo menos três coisas básicas:

1. Deus não deseja que ninguém vá para o inferno (se perca)
2. Só Jesus Cristo salva.
3. Haverá ressurreição.

Imagine se houvesse salvação em outra pessoa ou pessoas (santos ou quaisquer entidades)… Pergunta: Por que então não consta na Bíblia o nome de algum deles? É simples: Líderes religiosos atribuem poder a quem não tem e afastam o povo da leitura da Palavra de Deus! O objetivo deles é manter o povo continuamente no pecado da idolatria, mas Jesus é o autor da salvação e somente seu nome consta nas Escrituras! Então, por que não se adora somente a Cristo? Será que Deus aceita este desvio, ou um dia isso virá à tona?

Em Filipenses 2.6-11 lemos sobre Jesus: “Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.”

De fato, se folhearmos as Escrituras de Gênesis a Apocalipse descobriremos que só Jesus é o único Salvador. Ele mesmo declarou: “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam; E não quereis vir a mim para terdes vida.” (João 5.39,40)

A Bíblia é a verdade eterna. Se alguém insiste em confiar em falsos ensinos (que apontam salvação em outros) descobrirá na eternidade que desperdiçou loucamente o seu tempo e assim estará perdido sem solução. Que pena! Uma vez na eternidade não há mais como crer em Cristo para a salvação. A salvação é somente enquanto estamos na terra, por isso a decisão para receber a Cristo tem que ser tomada enquanto estamos vivos fisicamente. (Leia Marcos 2.10)

O texto de João 6  também menciona a ressurreição. Todos nós ressuscitaremos um dia. Já que Deus é o nosso dono, e fomos criados para Sua glória, agora Ele nos notificará acerca de nosso estilo de vida na terra. O que fizemos com o nosso livre arbítrio? A quem demos glória na terra? Vivemos de acordo com as Escrituras ou segundo as tradições falsas ensinadas no mundo? É por isso que a Bíblia insiste conosco: “E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.”  (João 17.3)

Finalmente em Daniel 12:2 lemos o julgamento final: “E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno. Quem ressuscitará para a vida eterna? O que creram e viveram somente em Cristo. Não nos deixemos enganar. A Escritura declara que na terra só há um Deus digno de adoração: O Salvador Jesus Cristo. Veja mais uma vez: ”Para que se saiba desde o nascente do sol, e desde o poente, que fora de mim não há outro; eu sou o Senhor, e não há outro.” (Isaias 45.6)

longevidade

Por que não se vive mais tão longamente como antes do dilúvio?

longevidadeEm muitos países a expectativa de vida é bem curta. Em países desenvolvidos cientistas se esforçam para descobrir o segredo da longevidade. Será que alcançarão esta proeza ou está tudo no controle de Deus?

A Bíblia afirma que em tempos passados os antediluvianos viveram longos anos. Matusalém, por exemplo viveu 969 anos.  (Gênesis 5.27) Uau! Mas por que a expectativa de vida humana foi reduzida tão drasticamente após o dilúvio?

A verdade é que vida é um dom de Deus e deve ser vivida para Ele, agradando-lhe em tudo. Foi este o propósito para o qual fomos criados! Então à medida que o ser humano se afasta de Deus a sua expectativa de vida simplesmente diminui! Em provérbios 3.1,2 lemos: “Filho meu, não te esqueças da minha lei, e o teu coração guarde os meus mandamentos. Porque eles aumentarão os teus dias e te acrescentarão anos de vida e paz.”

freE por que muitos não compreendem esta verdade? Em 2 coríntios 4.3,4 está escrito assim: “Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, para os que se perdem está encoberto. Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.”

A Bíblia nos mostra que desde que o homem pecou no Éden, seus descendes morreram espiritualmente, mesmo assim Deus ainda concedeu um período de tempo para se arrependessem e voltassem para Ele. Mas a humanidade não tinha essa mentalidade (como muitos ainda não o tem!). Ao contrário, entendem que são donos de sua própria vida e vivem física e espiritualmente de forma extravagante consumindo a cada dia seus corpos, seus bens e assim abreviam sua existência sobre a terra. A Bíblia diz que Satanás é o deus deste mundo (2 coríntios 4.4) e dessa forma tem conduzido milhões ao inferno pelo prazer provisório do pecado.

O problema da longevidade

Apostolo Paulo, longevidade O homem perdido vive normalmente no pecado como se fosse aceito por Deus! E assim ele gasta tudo de forma errada, mas Deus sempre deixou testemunhas na terra para alertá-los sobre a necessidade de conversão. Em Atos 14.16,17 o apóstolo Paulo pregando uma mensagem de arrependimento chamou a atenção dos gregos sobre isto. “o qual nos tempos passados deixou andar todas as nações em seus próprios caminhos. Contudo, não se deixou a si mesmo sem testemunho, beneficiando-vos lá do céu, dando-vos chuvas e tempos frutíferos, enchendo de mantimento e de alegria os vossos corações.”

Abusando da bondade de Deus a sociedade antediluviana alcançou um nível intolerável de violência então Deus declarou: “Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem; porque ele também é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos.” (Gênesis 6.3) A longevidade na época de Noé longevidade dos antediluvianos proporcionou o aumento da população mundial. Mas qual era a qualidade de vida deles? Embora vivessem em um ambiente incomparavelmente menos poluído que o nosso, a Bíblia nos dá uma chave muito esclarecedora. Em Eclesiastes 9.18b lemos: “um só pecador destrói muitos bens.” Imagine milhões de pecadores vivendo desordenadamente como se não existisse Deus? Foi esta a causa do dilúvio. Em Gênesis 6.5 está tudo muito bem explicado: “E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente.” A humanidade antediluviana não queria servir a Deus e por isso pereceu perdida no pecado. Exceto Noé e sua família escaparam da punição anunciada.

Quem ainda consegue viver 120 anos?

120Em Salmos 90.10 lemos assim “A duração de nossa vida é de setenta anos, e se alguns, pela sua robustez, chegam a oitenta anos, o melhor deles é canseira e enfado, pois passa rapidamente nós voamos.” Seria isto uma nova redução da nossa expectativa de vida? Não, absolutamente. Deus está apenas nos direcionando a frutificar nas melhores fases de nossa vida. Em Salmos 90.12 podemos compreender melhor: “Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos corações sábios.” Esta é a única forma de se viver agradavelmente para Deus. O resultado é este: “O justo florescerá como a palmeira; crescerá como o cedro no Líbano. Os que estão plantados na casa do Senhor florescerão nos átrios do nosso Deus. Na velhice ainda darão frutos; serão viçosos e vigorosos.” (Salmos 92.12,13)

O valor da Palavra de Deus para a vida terrenal e eterna

escrituraEm Provérbios 4.13-23 lemos assim: “Apega-te à instrução e não a largues; guarda-a, porque ela é a tua vida. Não entres pela vereda dos ímpios, nem andes no caminho dos maus. Evita-o; não passes por ele; desvia-te dele e passa de largo. Pois não dormem, se não fizerem mal, e foge deles o sono se não fizerem alguém tropeçar. Porque comem o pão da impiedade, e bebem o vinho da violência. Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito. O caminho dos ímpios é como a escuridão; nem sabem em que tropeçam. Filho meu, atenta para as minhas palavras; às minhas razões inclina o teu ouvido. Não as deixes apartar-se dos teus olhos; guarda-as no íntimo do teu coração. Porque são vida para os que as acham, e saúde para todo o seu corpo. Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida.”

Somente em Cristo podemos experimentar o estilo de vida citado acima. Jesus declarou: “Eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância. (João 10.10b) E mais importante que a saúde do corpo, é a saúde da alma. O apóstolo João escreveu ao presbítero Gaio: “Amado, desejo que te vá bem em todas as coisas, e que tenhas saúde, assim como bem vai a tua alma.” (3 João 1.2)

A história se repete

Você sabia que embora a nossa expectativa de vida tenha sido reduzida a humanidade ainda segue indiferente à mensagem de arrependimento? Jesus falou que na ocasião de sua segunda vinda (para levar os justos) o mundo estaria neste estado! Em Mateus 24.37-39 lemos: “E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem.” Você já está salvo e aguarda o arrebatamento?

O que Deus preparou para os fieis

Muito mais valioso que sonhar com uma longevidade na terra é ter a garantia da vida eterna no céu. Somente Cristo nos oferece esta oportunidade: “Mas agora, libertados do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna.” (Romanos 6.22) O que significa a vida eterna? Em João 17.3 Jesus mesmo explica: “A vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” Então quem quiser ter a vida eterna precisa abandonar o deus deste mundo e entregar sua vida a Cristo para estar preparado para o arrebatamento.

vida longa em CristoEm Apocalipse 21.3-7; 27 temos uma ideia da cidade que Deus preparou para os salvos desfrutarem no futuro. Vejamos a descrição sobre a mesma: “E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus. E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas. E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E disse-me: Escreve; porque estas palavras são verdadeiras e fiéis. E disse-me mais: Está cumprido. Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim. A quem quer que tiver sede, de graça lhe darei da fonte da água da vida. Quem vencer, herdará todas as coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho.”; “E não entrará nela coisa alguma que contamine, e cometa abominação e mentira; mas só os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro.”

Por que a Bíblia se cala sobre determinados assuntos?

Devemos começar dizendo que não há uma só questão neste mundo que a Bíblia não tenha uma resposta. Entretanto em alguns textos não temos informações precisas sobre determinados assuntos. Por que Deus não explicou tal passagem mais detalhadamente? ─ Perguntam alguns, irrefletidamente.

Antes de tudo devemos lembrar que todo o conteúdo bíblico se relaciona com a redenção da humanidade. O problema está no homem que é tentado a pensar que Deus tem que satisfazer todos os caprichos de sua curiosidade. Mas em fim qual é razão do silêncio de Deus?

quando a biblia se cala

É claro que Ele tem suas próprias razões. Mas o bom senso nos leva a pensar que, se a Bíblia não comenta sobre um determinado assunto, este fato pode ser explicado por duas razões: ou este assunto não se relaciona com o tema principal de Sua Palavra (redenção) ou não vai trazer benefício espiritual nenhum para nós!

Sabemos que alguns não se conformam com o silêncio de Deus e passam inclusive a levantar sérias suspeitas sobre Ele. Mas, diga-se de passagem: A Bíblia foi feita para os que crêem! E quem realmente crê na Palavra de Deus reconhece a soberania dele. Em suma Deus quis revelar para o homem apenas o que Ele achou que era necessário, ou seja, o que lhe aprouve. Isto está bem claro em Deuteronômio 29.29:

As coisas encobertas pertencem ao Senhor nosso Deus, porém as reveladas nos pertencem a nós e a nossos filhos para sempre, para que cumpramos todas as palavras desta lei.”

Textos Relacionados:
O que a Bíblia diz sobre dízimos e ofertas
Os 9 dons do Espírito Santo
Evangelismo e a Grande Comissão

A morte física

O que é a morte física?

Como a Bíblia compara a nossa vida sobre a terra? Em Tiago 4.14 lemos: “Digo-vos que não sabeis o que acontecerá amanhã. Porque, que é a vossa vida? É um vapor que aparece por um pouco, e depois se desvanece.”

Sem dúvida, a morte é a surpresa mais desagradável da existência humana. Entretanto ela nunca esteve nos propósitos de Deus. Ela se tornou uma realidade pela transgressão de Adão e Eva no início do mundo. Está escrito:  “porquanto és pó e em pó te tornarás.” (Gênesis 3.18b)

Em Salmos 89.48 lemos também: “Que homem há, que viva, e não veja a morte? Livrará ele a sua alma do poder da sepultura?” Mesmo ao nascer já entramos em um processo de envelhecimento e rumo à morte física. Isto ocorre de forma lenta, gradual (por envelhecimento ou doença) ou súbita (acidentes ou doenças). E assim todos nós somos colhidos para a eternidade.

O Significado de um velório

Em Eclesiastes 7.2 lemos: “Melhor é ir à casa onde há luto do que ir à casa onde há banquete, porque naquela está o fim de todos os homens, e os vivos o aplicam ao seu coração.” Nesta ocasião Deus nos concede uma grande oportunidade para refletir sobre onde estaremos na eternidade. O corpo está ali, mas a alma e o Espírito para onde foram? Por que Deus tem essa preocupação conosco?

Uma chave para entender: Por que Jesus ressuscitou dentre os mortos?

Somente Jesus passou pela morte física e ressuscitou dentre os mortos. Ele conseguiu isto porque nunca teve pecado, pois a Bíblia declara que o pecado é a causa da morte em todos os sentidos: física, espiritual e eterna. (Rm 5.12; 6.23)

A boa notícia da ressurreição de Jesus é também a esperança real para aqueles que creem nele, os quais o receberam como salvador, os quais vivem em um relacionamento com Deus. Estes se encontram preparados para a morte física, quando também ressuscitarão um dia para estar com Cristo no lar celestial. Está escrito: “Porque assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem. Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo.” (1 Co 15.21,22)

Resumindo: Cristo ressuscitou porque não tinha pecado. Os salvos ressuscitarão por que seus pecados foram perdoados, daí a certeza de sua salvação. A Bíblia declara: “Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa maldade, e em cujo espírito não há engano.” (Salmos 32.1,2).

morte física

Como preparar o corpo para a ressurreição com Cristo

Cristo condenou o pecado e mandou que todos se arrependessem. Ele nunca se envolveu em pecado pois estava morto para o mundo pecador. Assim também devem viver seus seguidores.

A Bíblia diz: “Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos; sabendo que, tendo sido Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte não mais tem domínio sobre ele. Pois, quanto a ter morrido, de uma vez morreu para o pecado; mas, quanto a viver, vive para Deus. Assim também vós considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus nosso Senhor. Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências; Nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniqüidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça.” (Romanos 6.8-13)

Estarmos preparados para a morte física?

Mais importante que a morte física é a preocupação com a morte Espiritual. Estar preparado para a morte física vai muito além de se ter um bom seguro de vida, ou dinheiro para pagar uma boa funerária. A nossa maior necessidade é estar vivendo uma aliança com Deus. Afinal, somos seres eternos e um dia o nosso corpo será ressuscitado. A Bíblia diz: “E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno. Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça, como as estrelas sempre e eternamente.” (Daniel 12.2,3).

O significado da vida biológica

A grande jogada da vida é saber se aqui na terra vivemos como sábios ou como tolos, se vivemos para Deus ou apenas vivemos em prazeres carnais. Todos nós, em algum ponto de nossa existência temos a oportunidade de ouvir a sobre a vida eterna oferecida por Cristo. É somente pelo arrependimento de nossos pecados que podemos ter uma aliança com Deus, daí vem a garantia da vida eterna, de estar junto ao Pai celestial quando a morte física vier.

Quem não gostaria de ressuscitar com Cristo no último dia?

Esta também é a vontade de Deus. Jesus mesmo se expressou assim: “Porquanto a vontade daquele que me enviou é esta: Que todo aquele que vê o Filho, e crê nele, tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia.” (João 6.40)

Em Salmos 103.15 a 18 lemos: “Quanto ao homem, os seus dias são como a erva, como a flor do campo assim floresce. Passando por ela o vento, logo se vai, e o seu lugar não será mais conhecido. Mas a misericórdia do Senhor é desde a eternidade e até a eternidade sobre aqueles que o temem, e a sua justiça sobre os filhos dos filhos; Sobre aqueles que guardam a sua aliança, e sobre os que se lembram dos seus mandamentos para os cumprir.”

Como se preparar para o fim

Nota

O texto abaixo é parte de uma série especial de 15 posts publicados com o objetivo de combater as falsas notícias sobre o fim do mundo marcado para 21/12/2012.

Embora muitos crêem que o dia 21 de dezembro será marcado por inúmeras catástrofes naturais, não há como depositar credibilidade nestas teorias porque simplesmente já se sabe que não há provas bíblicas e nem científicas a esse respeito. Essa questão compete exclusivamente a Deus o criador do universo. Em Atos 1.7 está escrito assim: “E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder.”

Sobre a nossa preparação, ela leva em conta a nossa vida diária, nosso relacionamento com Deus. É possível saber se estamos  agradando a Deus ou não. O nosso estilo de vida fala mais que nossas palavras, por isso precisamos estar atento sobre esta questão.

“Para que possais andar dignamente diante do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda a boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus.” (Colossenses 1.10)

Embora tenhamos sido contaminados pelo pecado, Deus enviou Jesus para morrer por nossos pecados a fim de nos purificar de toda injustiça. Reconhecer este fato é o inicio para compreender o plano de Deus para nossa vida. Nascemos em pecado, mas não podemos continuar assim, precisamos nos arrepender e confessar a Cristo como Salvador. Esta é a única maneira de obtermos a salvação. Sobre Jesus, o nosso salvador está escrito:

“O qual nos tirou da potestade das trevas, e nos transportou para o reino do Filho do seu amor; em quem temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados.” (Colossenses 1.13,14)

Uma vez perdoados devemos manter o nosso relacionamento com Deus até à sua volta:

“E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção.”  (Efésios 4.30)

Como aguardar os eventos futuros relatados na bíblia

esperando a vinda de JesusDe fato, a Bíblia não omite uma época de grande sofrimento previsto para o futuro. Porém as teorias do fim do mundo que se propagam por ai não têm nada a ver com o que a Palavra de Deus diz. O que nos diz a Palavra de Deus? Esse período de sofrimento é chamado de “Grande tribulação.” (Leia Mateus 24.1-44; Apocalipse 10-19) e ocorrerá somente após a volta de Jesus, quando na ocasião ele levará consigo os que viveram na terra um relacionamento sincero com ele. Sobre o dia arrebatamento (o dia da volta de Cristo) não se sabe quando ocorrerá, temos apenas avisos por parte dele a respeito da vigilância que devemos manter em ralação à nossa comunhão com ele.

“Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir.” (Mateus 25.13)

A verdadeira preparação

Através das Escrituras sabemos que a nossa preparação não consiste em se prevenir comprando kit de sobrevivência, abrigos subterrâneos, estocando comida ou medicamentos. A nossa preparação é diária, consiste em escolher agradar a Deus com uma vida definitivamente separada do pecado e dos esquemas corruptos deste mundo perdido. Todos nós queremos ter uma eternidade com Deus, é obvio. Devemos saber que Deus mesmo deseja isto muito mais que nós. Porém assim como ele é separado do pecado (santo) ele também deseja que assim sejamos. Esta é a qualificação daqueles que realmente são filhos de Deus, daqueles que vão morar no céu os quais receberam poder para vencer o pecado.

“Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são pesados. Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé. Quem é que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus?” (1 João 5.3-5

“Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos. E qualquer que nele tem esta esperança purifica-se a si mesmo, como também ele é puro.” (1 João 3.2)

Textos relacionados:
O batismo no Espírito Santo
O dia da mentira

Jesus – Apenas um mestre da moral ou Salvador?

Cada um tinha uma perspectiva diferente sobre Jesus. Uns viam-no apenas como o mero carpinteiro de Nazaré (Mc 6.3); outros afirmavam ser ele um dos antigos profetas do Antigo Testamento que ressuscitou (Lc 9.19; Mt 16.14); outros diziam ser ele um bom mestre (Mt 19.16); ou ainda um mestre vindo de Deus (Jo 3.2) etc.

Em Mateus 16.15 Jesus pergunta propositalmente a seus discípulos: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Jesus já sabia o que o povo pensava sobre ele, mas ele queria ouvir de seus discípulos uma declaração diferente da opinião popular. “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.” (Mateus 16.16) Esta declaração de Pedro provou que ele compreendeu a missão do Messias no mundo. Jesus queria que seus discípulos soubessem que eles não o haviam seguido em vão! Esta afirmação de Pedro esta baseada na autoridade que Jesus exerceu em seu ministério. Vejamos um pouco sobre a autoridade de Jesus:

quem é Jesus para vocêAutoridade sobre as enfermidades. (Mateus 21.14;Lucas 7.21,22;6.10; 8.44; 14.4; João 5.8)
Autoridade sobre a natureza. (Mateus 8.26,27;17.27;Lucas 5.5-7)
Autoridade na terra para perdoar pecados. (Mateus 9.6; 1 João 1.9)
Autoridade sobre os demônios. (Marcos 1.34, 39; Lucas 11.20)
Autoridade sobre a morte. (Lucas 7.14; João 11.43,44)

Finalmente após sua ressurreição toda autoridade lhe foi dada.(Mateus 28.18; Romanos 14.11; Filipenses 2.10) Que mais evidências alguém precisaria para reconhecer que Jesus era o Filho de Deus? Quando os judeus se recusaram a crer nele para serem salvos, Jesus lhes alertou: “Àquele a quem o Pai santificou, e enviou ao mundo, vós dizeis: Blasfemas, porque disse: Sou Filho de Deus? Se não faço as obras de meu Pai, não me acrediteis. Mas, se as faço, e não credes em mim, crede nas obras; para que conheçais e acrediteis que o Pai está em mim e eu nele.” (João 10.36-38)

Quem é Jesus para você?
Hoje também precisamos responder a mesma pergunta de Jesus: “E vós, quem dizeis que eu sou?” C S Lewis abandonou o cristianismo e viveu como ateu por um bom tempo, mas um dia ele teve um novo entendimento acerca de Cristo. Sem querer coagir ninguém a crer em Cristo, ele escreveu assim:

“Tento aqui impedir que alguém diga a grande tolice que sempre dizem sobre Ele [Jesus Cristo]: ‘Estou pronto a aceitar Jesus como um grande mestre em moral, mas não aceito sua afirmação em ser Deus.’ Isto é exatamente a única coisa que não devemos dizer. Um homem que foi simplesmente homem, dizendo o tipo de coisa que Jesus disse, não seria um grande mestre em moral. Poderia ser um lunático, no mesmo nível de um que afirma ser um ovo pochê, ou mais, poderia ser o próprio Demônio dos Infernos. Você decide. Ou este homem foi, e é, o Filho de Deus, ou é então um louco, ou coisa pior… Você pode achar que ele é tolo, pode cuspir nele ou matá-lo como um demônio; ou você pode cair a seus pés e chamá-lo Senhor e Deus. Mas não vamos vir com aquela bobagem de que ele foi um grande mestre aqui na terra. Ele não nos deixou esta opção em aberto. Ele não teve esta intenção.” Em João 17.3 Jesus declara: “E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.”

Textos relacionados:
Vamos crer ou não?
Que farei de Jesus chamado o Cristo?
Jesus cumpriu as profecias messiânicas?
A mensagem da Páscoa

Arrependimento e Remorso – Qual a diferença?

Arrependimento e Remorso Você sabe a diferença?

Arrependimento e remorso ambos tem a mesma origem: maus atos praticados os quais geram um grande tormento de consciência. A diferença entre estas emoções está na atitude em lidar com a falha cometida. Neste momento todos se perguntam: existe ainda uma saída ou será o fim de tudo? Deus, porém está olhando a nossa aflição! É em sua Palavra que aprendemos sobre o que fazer e o que nunca fazer.

Remorso – que emoção é esta?

Podemos entender o remorso como um falso arrependimento. A vida de Judas Iscariotes exemplifica muito bem isto. Em Mateus 27.3 lemos: “Então Judas, o que o traíra, vendo que fora condenado, trouxe arrependido, as trinta moedas de prata aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos.” Judas ao trair a Jesus imediatamente se sentiu culpado, triste e abatido. Uma pessoa com remorso reconhece seus erros, mas nunca se humilha para pedir perdão a quem ofendeu. Será que Jesus não perdoaria a Judas? É claro que sim, afinal ele veio buscar e salvar o que se havia perdido!

Mas o que ocorre é que Satanás reforça o orgulho humano, daí a pessoa não recorre a Deus para obter a solução do problema. A vítima do remorso sempre se refugia em outro erro, assim o próximo passo de Judas Iscariotes foi o suicídio. Manifestações de remorso são muito comuns em músicas bregas onde os boêmios crêem que a bebedeira é a solução para seus problemas emocionais, mas isto só agrava ainda mais a situação. O remorso é uma opressão satânica que conduz à destruição.

remorso ou arrependimento?

“O Senhor será também um alto refúgio para o oprimido; um alto refúgio em tempos de angústia.” (Salmos 9. 9)

O verdadeiro arrependimento tem origem em Deus e não leva à morte. Em 2 Coríntios 7.10 lemos: “Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação, da qual ninguém se arrepende; mas a tristeza do mundo opera a morte.” A tristeza do mundo aqui é uma referência ao remorso. Então, o que pode acontecer se o nosso arrependimento for apenas um remorso? Jesus deixou bem claro: “Se não vos arrependerdes, todos de igual modo perecereis.” (Lucas 13.3)

O arrependimento para a salvação

Arrependimento (grego “metanoeo”) inclui a idéia de reflexão, contemplação mudança de direção, ponto de vista e propósito. Trata-se de uma tristeza profunda por ter ofendido a Deus e ao próximo e é sempre acompanhado da confissão de pecados. Em Marcos 1.4,5 lemos que: “apareceu João batizando no deserto, e pregando o batismo de arrependimento, para remissão dos pecados. E toda a província da Judéia e os de Jerusalém iam ter com ele; e todos eram batizados por ele no rio Jordão, confessando os seus pecados.” (Marcos 1.4,5) O arrependimento produz uma mudança radical no estilo de vida. A pessoa passa a ver o pecado como Deus vê, passa a gostar do que Deus gosta, e reprova o que Deus reprova. A Palavra de Deus passa a ser padrão e prioridade em sua vida.

arrependimento

O sentido de arrependimento no original grego é metanóia – mudança de mente

Em Isaias 55.7 Deus fala sobre o arrependimento: ”Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos, e se converta ao Senhor, que se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar.” Em Lucas 15 temos uma bela história que retrata esta atitude. Após viver um longo período de tempo no erro e distante do pai, o filho pródigo muito arrependido volta para o seu lar. Ele está consciente que errou muito e não merece ser acolhido, mas sabe também que seu pai é muito misericordioso e de alguma forma o receberá. Então ele se humilha, confessa, e sua vida é restaurada. Nesta parábola vemos claramente a infinita graça de Deus em ação. O jovem pródigo se expressou assim:

A volta do filho pródigo

O arrependimento ilustrado

“Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti; Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros. E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou. E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e perante ti, e já não sou digno de ser chamado teu filho. Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa; e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão, e alparcas nos pés; E trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos, e alegremo-nos; Porque este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a alegrar-se. (Lucas 15.18-24)

Na verdade esta parábola retrata a humanidade perdida e a disposição de Deus em perdoar os que se arrependem. Assim, todos nós somos filhos pródigos, pois está escrito: “Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos.” (Isaías 53.6). Em Romanos 11.32 lemos também: “Porque Deus encerrou a todos debaixo da desobediência, para com todos usar de misericórdia.” Nosso pai celestial, entretanto continua de braços abertos para receber a tantos quantos vierem a ele verdadeiramente arrependidos.

A vingança vale a pena?

A Vingança Vale Apena? Ela é a vontade de Deus pra tua vida?

Será que a vingança vale apena? Temos realmente estrutura emocional para suportar suas conseqüências? O que realmente acontece quando nos vingamos? Em Provérbios 24.29 lemos assim: “Não digas: Como ele me fez a mim, assim o farei eu a ele; pagarei a cada um segundo a sua obra.” Todo mundo precisa saber o fundamento do conselho divino para jamais fazermos uso da vingança.

Primeiramente precisamos saber que a base de todo mandamento divino reside no grande amor de Deus por nós. Deus sabe que a vingança apenas impede o nosso bem estar em todas as áreas de nossa vida. Vejamos o mais que a Bíblia declara sobre este assunto:

1. A vingança pertence somente a Deus.

Somos tentados a pensar que temos algum direito à vingança. Se agirmos assim simplesmente assumimos um lugar que pertence somente a Deus! Em Salmos 94.1,2 está escrito:“Ó Senhor Deus, a quem a vingança pertence, ó Deus, a quem a vingança pertence, mostra-te resplandecente. Exalta-te, tu, que és juiz da terra; dá a paga aos soberbos.” Em Romanos 12.19 também lemos: “Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira, porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor.”

2. Não sabemos vingar! – Somente Deus opera a vingança de forma justa.

A ira de Deus é totalmente diferente da ira humana. Trata-se de uma ira santa, aplicada de acordo com sua justiça e verdade. Em Jó 34.11,12 lemos assim: “Porque, segundo a obra do homem, Ele lhe paga; e faz a cada um segundo o seu caminho. Também, na verdade, Deus não procede impiamente; nem o Todo-Poderoso perverte o juízo.” Em Jeremias 32.19 lemos que Deus é “grande em conselho, e magnífico em obras; porque os teus olhos estão abertos sobre todos os caminhos dos filhos dos homens, para dar a cada um segundo os seus caminhos e segundo o fruto das suas obras.”

3. A vingança humana sempre resultará em adversidades

Como Deus compara uma pessoa emocionalmente descontrolada? Em Provérbios 25.28 está escrito: “Como a cidade derrubada, sem muro, assim é o homem que não pode conter o seu espírito.” Em Salmos 37.8,9 lemos também: “Deixa a ira, e abandona o furor; não te indignes de forma alguma para fazer o mal, porque os malfeitores serão desarraigados; mas aqueles que esperam no Senhor herdarão a terra.” A vingança humana sempre resultará em amargura, tristeza, inimizades e ainda futuros revanches! Deus em seu amor visa nos poupar de tudo isto. Em Provérbios 3.7,8 lemos assim: “Não sejas sábio a teus próprios olhos; teme ao Senhor e aparta-te do mal. Isto será saúde para o teu âmago, e medula para os teus ossos.”

 

 

Exemplo de pessoas que deixaram a vingança com Deus:

1. Paulo quando perseguido:

“Alexandre, o latoeiro, causou-me muitos males; o Senhor lhe pague segundo as suas obras.” (2 Timóteo 4.14)

2. Davi quando perseguido pelo rei Saul:

“Julgue o Senhor entre mim e ti, e vingue-me o Senhor de ti; porém a minha mão não será contra ti. Como diz o provérbio dos antigos: Dos ímpios procede a impiedade; porém a minha mão não será contra ti.” (1 Samuel 24.12)

3. Jesus quando entregue na mão dos pecadores:

“Quando o injuriavam, não injuriava, e quando padecia não ameaçava, mas entregava-se àquele que julga justamente; levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, para que, mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados.” (1 Pedro 2.23,24)

Somente Cristo pode nos livrar do sentimento de vingança.

Você foi injustiçado? Lembre-se do Salmo 37.5,6: “Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele tudo fará. E ele fará sobressair a tua justiça como a luz, e o teu juízo como o meio-dia.”

Textos relacionados:
Algo pode anular a fidelidade de Deus?

Jesus cumpriu as profecias messiânicas?

Mashiach, o Ungido, o Enviado, o Cristo. Estas palavras significam simplesmente o Messias, o prometido Salvador do mundo. Na época de Tibério César, imperador romano, a expectativa geral do povo judeu era de que o Messias estabeleceria um reinado de justiça no mundo. Com o Messias no governo, Israel se libertaria definitivamente do império romano e ainda se destacaria ainda como grande potência mundial. A obra do Messias seria eliminar completamente o sofrimento, estabelecer a paz e promover a prosperidade para todos. Sabemos que os judeus não receberam a Jesus como o Messias. Mas será que realmente Jesus não cumpriu as sonhadas expectativas messiânicas?

De fato, Jesus nunca se envolveu nas questões políticas de Israel, nunca se ouviu dele um só discurso nacionalista que ameaçasse a soberania romana. Mas o que Israel não atentou era que, de acordo com o Tanakh, (as Escrituras) a primeira parte da missão do Messias se referia à esfera espiritual. Ele operaria uma mudança interna na mente e no coração humano. Com este objetivo em mente Jesus inicia o seu ministério messiânico falando sobre a necessidade de arrependimento e conversão. No final do livro de Malaquias é mencionado que antes da vinda do Messias viria alguém para preparar-lhe o caminho. O conteúdo da mensagem deste profeta seria a mesma do Messias: conversão. Em Malaquias 4.5,6 lemos assim: “Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível dia do Senhor; E ele converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha, e fira a terra com maldição.” E então, qual a pessoa que se enquadrou perfeitamente no texto de Malaquias 4? No deserto da Judéia apareceu um rústico pregador chamado João. Devido à excentricidade de seus costumes muitos se posicionaram com reservas a respeito dele. Veementemente João pregava sobre a necessidade do arrependimento. Finalmente os sacerdotes e levitas lhe perguntaram quem ele era! Seria ele o Elias relatado no texto de Malaquias?

Jesus é o Messias

João embora profeta de Deus nunca se intitulou como tal. Ele confessou “eu não sou o Cristo.” (João 1.20) Depois ele confessou mais detalhadamente: “Eu sou a voz do que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como disse o profeta Isaías.” (João 1.23) Será que os judeus também não se lembraram desta profecia registrada no livro de Isaías? Em Isaías 40.3-5 lemos assim: “Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor; endireitai no ermo vereda a nosso Deus. Todo o vale será exaltado, e todo o monte e todo o outeiro será abatido; e o que é torcido se endireitará, e o que é áspero se aplainará. E a glória do Senhor se manifestará, e toda a carne juntamente a verá, pois a boca do Senhor o disse.” Aqui mais uma vez se percebe que a primeira parte do ministério do Messias seria espiritual. Afinal de contas muitas vidas precisavam ser alcançadas pela mensagem salvifica da Palavra de Deus!

O MESSIAS TERIA QUE SOFRER E SER SACRIFICADO!
A nossa salvação exigia o sacrifício do Messias. Este é o significado da páscoa) Em Gênesis 3.15: Deus havia dito à serpente: “E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” (Gênesis 3.15) Será que Israel também não lembrou que os sacrifícios instituídos por Deus na Torah eram figuras do Messias sacrificado por nossos pecados? Como o Messias poderia deixar de cumprir estas profecias? João esclareceu este fato a Israel. Apontando diretamente para Jesus ele declarou: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. Este é aquele do qual eu disse: Após mim vem um homem que é antes de mim, porque foi primeiro do que eu.” (João 1.29,30) De fato, o sacrifício de Jesus como cordeiro pascal se encaixou perfeitamente na profecia de Daniel: “E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias…” (Daniel 9.26)

ISRAEL DISTANDE DE DEUS…
A nação de Israel precisava saber quão distante se encontrava dos valores do reino de Deus! No Novo Testamento contemplamos isto principalmente no meio religioso quando Jesus dizia aos fariseus: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que percorreis o mar e a terra para fazer um prosélito; e, depois de o terdes feito, o fazeis filho do inferno duas vezes mais do que vós.” (Mateus 23.15) A opressão maligna também era algo comum naqueles dias. Pedro relatou “como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com virtude; o qual andou fazendo bem, e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele.” (Atos 10.38)

O REINO FÍSICO DO MESSIAS SERÁ ESTABELECIDO SOMENTE EM SUA SEGUNDA VINDA
Há muitas profecias referentes ao reino do Messias na terra. Após sua ressurreição Jesus ouviu uma pergunta sobre isto. Ele falava sobre a promessa do Pai em enviar o Espírito Santo, alguns confundiram perguntando-lhe assim: “Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel? E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder. Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra.” (Atos 1.6-8)

Tudo comprova que Israel não estava preparado para receber o seu Messias. A nação precisava de um quebrantamento espiritual. De fato Jesus até chorou sobre Jerusalém: “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste!”  (Mateus 23.37) Setenta anos depois nos damos conta que Jerusalém foi destruída por Roma!

Jesus sentiu sua rejeição por Israel, por isso Ele disse com muito pesar: “Eu vim em nome de meu Pai, e não me aceitais; se outro vier em seu próprio nome, a esse aceitareis.” (João 5.43) Ele também disse: “Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos.” (Marcos 13.6) Infelizmente a nação de Israel reconhecerá Jesus como Messias somente quando estiver em grande aperto. Deus revelou este assunto aos profetas. Zacarias: “Mas sobre a casa de Davi, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram; e pranteá-lo-ão sobre ele, como quem pranteia pelo filho unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito.” (Zacarias 12.10) É nesta época que o reino do Messias será estabelecido na terra.

Voltando à questão inicial, será que Jesus cumpriu a expectativa de um Messias libertador? A resposta é sim. Jesus como libertador da humanidade se expressou assim: “Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.” (João 8.36) Os que creram nele foram salvos e libertos de seus pecados e agora esperam a segunda vinda de Cristo.

JESUS O REI DE ISRAEL
O texto de Zacarias 9.9 também passou despercebido por Israel! Lá está escrito: “Alegra-te muito, ó filha de Sião; exulta, ó filha de Jerusalém; eis que o teu rei virá a ti, justo e salvo, pobre, e montado sobre um jumento, e sobre um jumentinho, filho de jumenta.” A única pessoa que entrou em Jerusalém sendo aclamado como rei foi Jesus. Em Mateus 21.6-11 temos este relato: “E, indo os discípulos, e fazendo como Jesus lhes ordenara, trouxeram a jumenta e o jumentinho, e sobre eles puseram as suas vestes, e fizeram-no assentar em cima. E muitíssima gente estendia as suas vestes pelo caminho, e outros cortavam ramos de árvores, e os espalhavam pelo caminho. E a multidão que ia adiante, e a que seguia, clamava, dizendo: Hosana ao Filho de Davi; bendito o que vem em nome do Senhor. Hosana nas alturas! E, entrando ele em Jerusalém, toda a cidade se alvoroçou, dizendo: Quem é este? E a multidão dizia: Este é Jesus, o profeta de Nazaré da Galiléia.” Usar esse transporte para entrar em Jerusalém como rei foi um duro golpe ao orgulho judaico!

ELE FALOU EM PARÁBOLAS
Quem neste mundo fez mais uso deste tipo de linguagem? Jesus simplesmente estava cumprindo o Salmo 78! “Escutai a minha lei, povo meu; inclinai os vossos ouvidos às palavras da minha boca. Abrirei a minha boca numa parábola; falarei enigmas da antiguidade.” (78.1,2) Em Mateus lemos assim: “E com muitas parábolas tais lhes dirigia a palavra, segundo o que podiam compreender. E sem parábolas nunca lhes falava; porém, tudo declarava em particular aos seus discípulos.” (Marcos 4.33) Quem quisesse ingressar no reino de Deus deveria mostrar-se interessado nele e assim seria revelado quem realmente tinha ou não humildade para aprender!

ELE OPEROU A VERDADEIRA LIBERTAÇÃO
Sabemos que a base de sustentação do império romano foi a escravatura. A libertação espiritual trazida por Jesus teve um grande impacto nas relações sociais do mundo. No meio cristão a escravidão física aos poucos se tornou sem sentido, pois a mentalidade dos convertidos donos de escravos mudou! A título de exemplo, Paulo escreveu a Filemom (dono de escravos) sobre um de seus escravos o qual fugira para Roma onde fora preso. Quando o escravo se converteu Paulo escreveu a Filemom sobre o novo tratamento que este deveria dispensar a seu escravo: “Não já como servo, antes, mais do que servo, como irmão amado…, se me tens por companheiro, recebe-o como a mim mesmo.” (Filemom 1.16,17) No versículo 9 há outra observação importante: “Todavia peço-te antes por amor, sendo eu tal como sou, Paulo o velho, e também agora prisioneiro de Jesus Cristo.” Assim a transformação da sociedade romana foi transcorrendo de forma natural e espontânea. Com o ensino de Cristo em mente no meio dos cristãos nunca houve lugar para as revoluções sociais.

ELE IMPLANTOU A VERDAIERA JUSTIÇA
Jesus mostrou a origem de toda injustiça no mundo: “O que sai do homem isso contamina o homem. Porque do interior do coração dos homens saem os maus pensamentos, os adultérios, as prostituições, os homicídios, os furtos, a avareza, as maldades, o engano, a dissolução, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura. Todos estes males procedem de dentro e contaminam o homem.” (Marcos 7.20-23) Por isso ele pregava o arrependimento e convidava a todos: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.” (Mateus 11.28)

ELE IMPLANTOU A VERDADEIRA PAZ
A conversão a Cristo proporciona a paz verdadeira, a paz com Deus e com o próximo! Ela não é imposta pela força, pela violência e nem pela negociação, ela é o resultado direto da comunhão com Deus a qual vem com o perdão dos pecados. Jesus disse: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá…” (João 14.27) Neste mundo perdido não existe este tipo de paz, por isso precisamos decidir se queremos viver uma vida mundana ou experimentar a verdadeira paz de Jesus.

PROSPERIDADE – RIQUEZA ESPIRITUAL
Após sua ressurreição Jesus “deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo.” (Efésios 4.11-13) Paulo escreveu aos coríntios: “Sempre dou graças ao meu Deus por vós pela graça de Deus que vos foi dada em Jesus Cristo. Porque em tudo fostes enriquecidos nele, em toda a palavra e em todo o conhecimento” (1 Coríntios 1.3-5) A riqueza do ensino de Cristo realmente impactou o mundo. Imagine o efeito destas palavras: “Não deis lugar ao diabo. Aquele que furtava, não furte mais; antes trabalhe, fazendo com as mãos o que é bom, para que tenha o que repartir com o que tiver necessidade. Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem.” (Efésios 4.27-29)

ELE TEM TODA A PRIMAZIA
Existe algum nome no mundo mais popular que o de Jesus? Alguém consegue calcular quantos livros Jesus ocupa como protagonista principal? E quantos filmes foram produzidos sobre sua vida? O mais importante de tudo é que Jesus é conhecido pela lei do amor! Este é o segredo de todo ess impacto mundial. Em João 3.16 lemos assim: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” Ninguém será capaz de calcular a quantidade de testemunhos dados por aqueles que receberam a Jesus como Salvador! Que pena:, muito mais pessoas poderiam ter sido salvas se cressem em Jesus como Messias. Por esta razão o profeta Isaias falou assim: “Quem deu crédito à nossa pregação? E a quem se manifestou o braço do Senhor? Porque foi subindo como renovo perante ele, e como raiz de uma terra seca; não tinha beleza nem formosura e, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele, para que o desejássemos. Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum. Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos. Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a sua boca.” (Isaias 53.1-7) Estas palavras provam que Jesus veio ao mundo com a missão espiritual de nos salvar, daí seu sacrifício por nossos pecados. Compreendendo muito bem isto, o rabino Paulo escreveu aos romanos: “A palavra está junto de ti, na tua boca e no teu coração; esta é a palavra da fé, que pregamos, a saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo.” (Romanos 10.8-9)

Textos relacionados:
Uma resposta inesperada
Estudo sobre o Espírito Santo
A ressurreição de Cristo
O verdadeiro sentido do natal